Imóvel novo ou usado: qual escolher?

Tempo de leitura: 6 minutos

Escolher um lugar para morar pode ser uma tarefa bastante complexa, pois isso envolve atenção a uma série de fatores para que não haja nenhum tipo de arrependimento no futuro.

É fundamental atender às expectativas, demandas, anseios e necessidades de todos que vão viver no local, sem que isso estoure o orçamento disponível para a transação. Nesse contexto, é importante optar entre um imóvel novo ou um usado.

As duas alternativas têm seus pontos positivos, mas também contam com certas desvantagens que podem ser determinantes para alguns tipos de perfil.

Quer se aprofundar um pouco mais sobre o mercado imobiliário? Então confira o conteúdo que preparamos a seguir e conheça o que cada uma dessas propriedades tem a oferecer:

Imóvel novo

Pagamento facilitado

A possibilidade de ter o pagamento facilitado é um dos grandes diferenciais de adquirir um imóvel novo, especialmente quando ele se trata de uma unidade na planta. É preciso compreender que a empresa construtora tem total interesse em fazer negócio e, por isso mesmo, não hesitará em facilitar a vida dos compradores em potencial.

Não é raro que ela ofereça parcelamentos longos, bons descontos para entradas mais polpudas ou a quitação de boa parte do saldo somente após a entrega das chaves. Outra situação comum é oferece a possibilidade de alterações gratuitas no projeto, como mudanças de acabamentos, na pintura ou até na disposição dos cômodos.

Instalações novas

Outro grande benefício de um imóvel novo é que as instalações são novas e nunca foram usadas. Isso garante não apenas muito mais tranquilidade para os proprietários por anos ou até mesmo décadas, como também evita gastos extras e perda de tempo com obras, reparos ou manutenção indesejáveis.

O sistema hidráulico, por exemplo, será moderno e você não correrá grandes riscos do surgimento de vazamentos, infiltrações e mofo precocemente. A parte elétrica também estará mais adequada às necessidades atuais, com um quadro de energia moderno e pontos de tomadas suficientes para a grande quantidade de eletrônicos dos dias de hoje.

Possibilidade de personalização

Outra vantagem é a possibilidade de deixar o imóvel com a cara do proprietário, sem que isso demande gastos extras ou perda de tempo com obras e reformas. Como a unidade ainda estará na planta, você poderá opinar sobre diversos itens que podem ir desde o design dos armários da cozinha até o tipo de piso.

Em diversos empreendimentos residenciais, o comprador também pode decidir onde subir e quebrar paredes, se o projeto assim permitir. Dessa maneira, é possível, entre outras coisas, investir em um conceito amplo com a criação de uma cozinha americana, por exemplo, ou mudar a disposição dos cômodos.

Riscos da obra

A grande desvantagem de investir em um imóvel novo é o risco que o comprador assume. Por mais que a nossa legislação tente proteger o consumidor, não dá para negar que um atraso na obra ou uma declaração de falência da construtora trará uma bela dor de cabeça para qualquer um que esteja nessa negociação.

Outro problema comum é quando o prazo de entrega não é cumprido. Nossa lei prevê que uma demora de seis meses é aceitável, mas isso pode impactar bastante a vida de uma pessoa que já estava planejando mudar-se com a família na data que foi previamente acordada, por exemplo.

No entanto, os riscos podem ser minimizados ao se pesquisar o histórico da construtora no mercado, sua pontualidade na entrega das chaves, bem como a existência de ações judiciais contra a empresa ou reclamações em sites especializados, a exemplo do Reclame Aqui.

Ainda assim, o preço mais em conta e as condições de venda do imóvel podem fazer valer a pena o risco assumido.

Imóvel usado

Preços atraentes

Um dos grandes diferenciais de um imóvel usado é que os preços podem ser bastante atraentes quando comparados ao resto do mercado. Especialmente após o período de crise que o Brasil experimentou, houve uma mudança muito grande no patamar do mercado e isso pode proporcionar boas oportunidades para quem tiver olhos atentos.

Muitas pessoas, por exemplo, acabaram se endividando e isso faz com que precisem de dinheiro imediatamente. Se possuírem uma propriedade, certamente estarão mais receptivas a propostas, especialmente quando se tratar de um pagamento à vista. Até mesmo as construtoras estão com mais imóveis remanescentes, o que barateia o preço.

Localização privilegiada

É comum que os imóveis mais antigos fiquem em localizações mais privilegiadas. Afinal, eles foram construídos em épocas nas quais a especulação imobiliária era menor do que nos dias de hoje. Isso ocorre porque antigamente os bairros nobres ainda tinham terrenos e lotes sem uso para edificações de casas e apartamentos.

Já as unidades na planta não experimentam essa facilidade. Atualmente, os espaços estão muito menos disponíveis e, para investir em um empreendimento residencial, as empresas precisam partir para localidades mais distantes, que ainda tenham capacidade de comportar essas construções.

Espaços mais amplos

Os imóveis antigos, em linhas gerais, possuíam plantas mais amplas, o que proporcionava cômodos maiores. Muitas pessoas não abrem mão disso, mesmo que os projetos modernos sejam excelentes em termos de praticidade e funcionalidade. Não é raro, por exemplo, que as unidades usadas tenham um pé direito em torno de 3 metros.

Outros diferenciais podem ser salas mais largas, cozinhas separadas, quartos mais generosos e a presença de dependência de empregados, que é algo raríssimo de vermos nos dias de hoje. Alguns apartamentos possibilitavam até a presença de discretas áreas de lazer, como varandas mais amplas ou jardins internos.

Custos de manutenção

O grande problema de imóveis antigos é o custo mais elevado de manutenção. Como tudo já foi utilizado por outras pessoas por muitos anos ou até mesmo décadas, é inevitável que alguns pontos da unidade demandem reparos ou reformas completas, o que pode custar caro e tomar um tempo precioso.

Além disso, como os projetos não são modernos, não é raro que seja preciso fazer algumas atualizações. Tubos de aço galvanizado, muito comuns antigamente, ficam corroídos ao longo do tempo. A ausência de pontos de tomada suficientes é outra questão que demanda uma solução imediata.

Como podemos ver, escolher entre as duas alternativas é muito mais uma questão de adequar as vantagens e desvantagens ao seu perfil e às demandas e necessidades da sua família!

Gostou do nosso conteúdo? Conseguiu decidir entre imóvel novo ou usado? Então veja também como você pode economizar para comprar seu primeiro apartamento!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *